sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Atrás de R$ 6 mil para CooperCruzeiro

O projeto por nós elaborado voluntariamente para a CooperCruzeiro e justificativas:



IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO

 

Valor Solicitado : R$ 6.000,00
Custo Total (solicitado + contrapartida):
R$ 6.000,00
Proponente
Razão Social: Cooperativa de Agentes Ambientais Cruzeiro
Sigla: COOPERCRUZEIRO
CNPJ: 08.921.222/0001-59
Estabelecidos à Rua Bahia
Endereço constante do CNPJ: Rua Siegfried Roepcke
Nº 378
Nº s/n
Bairro: Cruzeiro
CEP: 89.288-337
Cidade: São Bento do Sul
Fone:47-9989-4445 c/ Clara
e-mail: auristelabk@gmail.com contato c/ Auristela
             datacon@datacon.adm.br contato c/ Zeca
Fone: 47-3633-6517 c/ Auristela
           47-3633-2611 c/ Zeca
Fax:   47-3633-2611 c/ Zeca
Responsável: Clara Novadzki
CPF: 961.046.609-59
Cargo: Presidente da Cooperativa
Fone: 47- 9989-4445


Local e Data: São Bento do Sul, 26/08/2011.  
__________________________________
Titular da Entidade Proponente





1.      JUSTIFICATIVA DO PROJETO
A Cooperativa de Agentes Ambientais Cruzeiro, embora constituída desde 12/06/2007, esteve algum tempo inativa, retomando as atividades em 01/09/2010 quanto começou a receber o material da Coleta Seletiva realizado pelo município, de um dia da semana dos Bairros Cruzeiro, Oxford, Boehmerwald, Alpino, Lençol. Material de uma população de 15 mi habitantes, além de receber o material da empresa Lanal Beira Rio e fazer coleta porta-a-porta nos dias da semana em que não há coleta seletiva nos Bairros próximos da Cooperativa.  Trabalham atualmente na atividade de coleta e triagem 08 cooperados, de forma pouco profissionalizada, selecionando o material em mesas sem padrão, não dispondo de equipamentos tais como balança, prensa, esteira e não há uso de EPIs. Estima-se que os cooperados recebem por mês em média o equivalente à ½ salário mínimo. Ao solicitar R$ 6.000,00 da Vonpar, a cooperativa espera poder  organizar uma linha de produção, minimizar os riscos ocupacionais, e começar a ter condições de atender melhor o município (população) e demais empresas que lhe encaminham o material possível de ser reciclado. Sem dispor de nenhum equipamento, ou registros, a Cooperativa perde em credibilidade, correndo o risco de deixar de receber o material da Coleta Seletiva de um dia da semana, tão dificilmente conquistado, por não cumprir requisitos mínimos que venham a ser exigidos pelo município, como a Licença Ambiental, o uso de EPI, registros, e contribuição previdenciária dos cooperados. Espera-se com o pedido, poder conseguir mais material, dar valor a este material, e alcançar uma renda melhor que permita a contribuição previdenciária. A implantação de algum controle administrativo permitirá prevenir a Cooperativa de passivos fiscais ou trabalhistas.

2.      SITUAÇÃO DESEJADA NO TÉRMINO DO PROJETO
A Cooperativa busca em 04 meses implantar uma linha de produção e estoque ordenada, passar a fornecer os EPI mediante registro de entrega dos mesmos aos cooperados, ter aberto e atualizado o Livro de Registro de Cooperados, passar a descontar e recolher, a partir de out/2011 o INSS 11%  dos cooperados, dando aos mesmos oportunidade de receber auxílio por doença a que eventualmente venham a ser acometidos, além de garantir o período de contribuição para aposentadoria. Espera ter implantado um sistema de folha de pagamento, demonstrativos de pagamento do pró-labore pela atividade realizada, e o Livro de controle das vendas, com data, tipo de produto, kg, preço por kg,e total em reais,  mantendo um histórico que permitirá, futuramente, permitir a comprovação do benefício ambiental gerado, e requerer recursos junto à municipalidade e outras entidades.
3.      DESCREVA OS RECURSOS HUMANOS DO CT
A cooperativa tem atualmente 20 cooperados inscritos, destes 8 atuando efetivamente no sistema de coleta e triagem. A principal liderança do grupo está centrada na Presidente da Cooperativa, sem auxílio de outros membros, não estabelecido o Conselho Administrativo e Fiscal. Está programando para os próximos meses a Eleição de nova diretoria. Vem contanto com o apoio da comunidade em geral dos Bairros de onde recebe a Coleta Seletiva, na separação dos materiais, e firmou recentemente parceria com a empresa Lanal Beirra Rio, selecionando e recebendo todo material reciclável deste que é o segundo maior comércio de materiais de construção do município e grande indústria de artefatos de cimento (tubos de concreto, e outros). São apoiadores: o escritório contábil Datacon, de propriedade do Sr. Ezequias Ramos e o escritório Att Contabilidade de propriedade da Sra. Auristela Bauer Kolenez que vem orientando a cooperativa em como proceder nas suas questões administrativas e burocráticas. O Município de São Bento do Sul e Samae, desde setembro de 2010 vêm destinando o produto da Coleta Seletiva para esta cooperativa, além de manter a equipe do Departamento de Resíduos Sólidos inteiramente à disposição para sanar dúvidas, encontrar soluções pacíficas para os problemas do dia a dia. A exemplo, o Samae chama nesta data 26/08/2011, todos os cooperados das duas cooperativas locais e catadores autônomos, para um encontro de aproximação buscando encontrar soluções benéficas para ambas, promover a integração dos grupos.

4.      DESCRIÇÃO DO PROJETO
A Cooperativa solicita R$ 6.000,00 para aquisição de uma mesa firme e forte, padronizada, com 12 metros de comprimento por 0,90 de largura,e 0,85 de altura, fabricada em compensado “maderite” que não abre em contato com a água, com borda de 10 cm nas laterais, feita sob medida, que lhes permitirá fazer uma triagem mais dinâmica e organizada. Pretende adquirir uma balança eletrônica com capacidade de pesar fardos de até 300 kg. Adquirir 10 pares de luvas, 10 pares de botas e 10 pares de aventais de trabalho. Adquirir uma leva de materiais de escritório, especialmente pedir a confecção e encadernação de um livro de Registro de Cooperados, padronizado tal como o padrão conhecido da Coopercatsbs. Abrir e encadernar o Livro de registro das vendas, com colunas para data, tipo de material, pesagem, preço unitário, e  total, que permitirá manter um histórico e dar transparência à gesta. Pretende contratar por 4 meses serviços de RH, incluindo: conectividade social, sefip, elaboração de folhas de pagamento individualizadas por cooperado e recibos dos descontos para custeio, e emissão da GPS, por escritório contábil adotando o modelo já conhecido da Coopercatsbs, procedendo o desconto e demonstrando o recolhimento do INSS 11%. Ainda pretende pagar a taxa e contratar Engenheiro Ambiental para proceder a Licença Ambiental do Galpão de Triagem.

5.      OBJETIVOS

Implantar uma linha de produção mais adequada e padronizada, melhorando a forma de triagem, implantando a pesagem no local, e organizando o sistema de estoque. Implantar registros de pessoal. Providenciar o Conectividade Social, com isso permitir que os cooperados contribuam com a Previdência Social.  Implantar controles administrativos básicos. Obter a Licença Ambiental.

6. RELAÇÃO DO CENTRO DE TRIAGEM COM COLETA PÚBLICA e MUNICIPALIDADE
 A Cooperativa recebe regularmente desde set/10 o produto da Coleta Seletiva realizada pelo município às 4ªs feiras nos Bairro: Cruzeiro, Oxford, Boehmerwald, Alpino, Lençol. Material de uma população de 15 mil habitantes. O município através do Samae, Departamento de Resíduos sólidos, desde janeiro/2011 vem se aproximando imensamente das cooperativas de reciclagem, dando total apoio para que se desenvolvam, auxiliando na busca por novas parcerias.
7. PARCEIROS E SUAS CONTRIBUIÇÕES
          Recentemente a CooperCruzeiro conseguiu firmar parceria com a empresa Lanal Beira Rio, que passou a permitir a coleta de todo material reciclável pela cooperativa. O escritório Att Contabilidade, através do Blog Reciclar SBS tem notoriamente mexido no “status quo” da relação existente até janeiro/2011 da municipalidade com a reciclagem e é notório o aumento de material separado pelas famílias, e movimentação em torno da reciclagem no município nestes últimos meses. Também tem auxiliado imensamente o desenvolvimento desta atividade, compartilhando modelos, e dividindo sua experiência.  O Samae concluiu e estará apresentando todo um estudo sobre os Resíduos Sólidos agora no dia 30/08/2011 em audiência pública, devendo apresentar ao legislativo o Plano Municipal de Resíduos sólido até set/11, havendo convidado as cooperativas para participar nos debates, reunião coincidentemente marcada para hoje, 26/08/2011, uma vez que as cooperativas figuram como importantes agentes no aproveitamento de resíduos. A equipe do Samae têm visitado regularmente a Cooperativa procurando reconhecer suas dificuldades. Recentemente promoveu a integração entre a CooperCruzeiro e CooperCatsbs, sugerindo que a primeira venda pet á segunda, para que possa ser fragmentado e vendido à um valor melhor direto á indústria. Estão sendo firmadas parcerias locais em relação ao óleo reciclado, e no sentido de viabilizar a doação de carrinhos elétricos para os catadores.




CRONOGRAMA DE ATIVIDADES
Ações
ago
set
out
nov
dez
Aquisição da mesa de 12 m compr. x 0,90 largura x 0,85 altura

R$ 1.200,00



Aquisição e instalação de uma Balança para pesar fardos de até 300 kg

R$ 1.450,00



Aquisição de EPI: 10 pares de luvas, botas e aventais, mantendo 2 pares em estoque para novos cooperados

R$ 592,00



Pgto. da Taxa Licenciamento Ambiental e parc. 1 Eng. Ambiental


R$ 1.500,00
R$ 708,00

Abertura e preenchimento do Livro de Registro de Cooperados, cfme modelo padrão já utilizado na Coopercatsbs, com campo para entrega EPI e Estatuto

R$ 200,00



Serviço de elaboração do Conectividade Social

R$ 50,00



Serviço contábil de Confecção e elaboração de folhas de pagamentos individualizadas, descontos do INSS, transmissão do Sefip e emissão da GPS.


R$ 100,00
R$ 100,00
R$ 100,00
TOTAL
R$ 0,00
R$ 3.492,00
R$ 1.600,00
R$ 808,00
R$ 100,00
                                                                                                                      
RECURSOS FINANCEIROS 
Rubrica
Repasse 1
Repasse 2
Repasse 3
Total
Observações
Pessoal





Alimentação





Outros Gêneros

R$ 1.500,00

R$ 1.500,00
Txa licença ambiental
Transporte





Material de
expediente
R$ 592,00


R$ 592,00
EPI
Material
Construção





Serviço de terceiros
R$ 250,00
R$ 1.008,00

R$ 1.258,00
Contador e Eng. Amb. Ambiental
Equipamentos
R$ 1.450,00


R$ 1.450,00
Balança Eletrônica
Material Permanente
R$ 1.200,00


R$ 1.200,00
Mesa para triagem
Total
R$ 3.492,00
R$ 2.208,00

R$ 6.000,00



Local e Data: São Bento do Sul, 26/08/2011
Assinatura do Responsável Legal:
Nome Legível:


sexta-feira, 19 de agosto de 2011

CANCELADA São Bento Sempre Limpa 20/08

DIVULGAMOS A PEDIDO DA DEFESA CIVIL:

"Em razão das chuvas estamos cancelando a 4º etapa do Programa “São Bento Sempre Limpa” que seria realizado amanhã (20/08) nos bairros: Centenário, Brasilia, Vila São Paulo e Bela Aliança.  Assim que marcarmos nova data avisamos."
Forte Abraço
Aluisio
Defesa Civil"

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

A MELHOR PAISAGEM

Gráfico de Produção da Cooperacatsbs 01/2010 à 07/2011
Fonte: Att Contabilidade

Acompanhe:

As "montanhas" ao fundo do gráfico representam o material que a Coopercatsbs conseguiu VENDER em KG/L/PÇ de jan/2010 à jul/2011. Acumulado no período são mais de 530 toneladas vendidas (já descontadas da soma aprox. 8 mil peças entre garrafas e outros itens).

Em verde, no centro do gráfico, a variação das VENDAS em REAIS.

E abaixo o nº de HORAS TRABALHADAS a cada mês, para gerar os produtos acima.

Explicamos, para que o leitor não estranhe os altos picos e depressões, que não deve confundir "Material Vendido em Kg/L/Pç", com "Material que chega à cooperativa".

O material que chega à cooperativa não é pesado na recepção, o que dificulta muito saber até mesmo da quebra. Vide postagem de 16/02/2011sobre isso: APROVEITAMENTO 75% X REJEITO 25%   (*) também vide comentário abaixo.

A análise melhor que conseguimos fazer é em relação às vendas, e as grandes variações de mês para outro não significam que ora chega um volume gigantesco, outra ora ínfimo de material a processar. 

Significa apenas que os produtos para serem comercializados dependem de acumular o volume necessário para venda. 

Então, um mês temos uma venda menor porque os cooperados estão acumulando material gerando a depressão, imediatamente no mês seguinte o material é comercializado, gerando o pico, e assim sucessivamente.

Neste período de estudo de 19 meses, o que podemos concluir é que a cooperativa vende em média 28.000 kg/l/pç de materiais por mês, gerando uma receita média com vendas de R$ 8.700,00 por mês, a partir da média de 2.880 horas trabalhadas por mês.

Aumentar a quantidade de material que chega à cooperativa diariamente resultará em mais mão-de-obra ocupada.  Aumentar a qualidade dos produtos vendidos, resultará em maior receita de vendas. 

Quase sempre dar qualidade ao produto final implica maior quantidade de horas trabalhadas, daí porque, mais adiante representaremos, a renda média por cooperado não aumenta. 

Não é único, mas é um dos fatores determinantes da renda per capta, pois nem sempre compensa financeiramente 'agregar valor', como já dissemos em postagens anteriores. 

Contudo, a cooperativa não tem finalidade lucrativa, e deve levar em conta aspectos sociais. 

Eventualmente é melhor ter mão-de-obra ocupada mesmo que a um pró-labore mais baixo, do que ter de dispensar membros da comunidade que não teriam outra fonte de renda, seja porque estão desempregados, têm baixa escolaridade, é o trabalho mais próximo e acessível especialmente às mulheres, ou outros motivos os mais diversos.

O que também é só uma questão de interpretação. 

Tudo tem de se acompanhado amiúde e nesta paisagem há vários "pontos de vista" que podem ser estudados.

Se, a exemplo, conseguíssemos, a partir de uma triagem e processamento mais fino, ocupar mais mão-de-obra e oferecer excelentes salários, a um nível tal que retirasse pessoal de outras empresas, para cooperativa seria interessante, mas para outras empresas não, já que teriam que concorrer em aumento de salários para manter seus operários ditos 'de chão de fábrica'. 

Isso está a 'anos luz' de acontecer, óbvio, e comparamos a hipótese atualmente nula, apenas para dar algum entendimento ao leitor. 

Ao decidir promover investimentos, e para dar sustentação às suas decisões, cooperativa, parceiros, município, devem sempre perguntar se o investimento irá gerar:

+ Material  +  Renda + Cooperados

Atendendo apenas um dos requisitos acima, o investimento já pode ser considerado ótimo.

Obviamente, há que se manter a prioridade primeira de: minimizar riscos ambientais, fiscais e de pessoal.

Ante toda e qualquer outra melhor análise, ainda insistimos na mesma humilde conclusão, a que já chegamos tantas vezes: 

+ + + Material, ainda deve ser o foco principal, pois aumentando o quantitativo, o restante há de surgir espontaneamente... mais uma vela pela Usina de Reciclagem e Compostagem.



Pesquisar neste blog